.
Annunci online

tuttelestradeportano
il diario di Quel


Diario


23 gennaio 2007

now voyager

Now finale to the shore,
Now land and life finale and farewell,
Now Voyager depart, (much, much for thee is yet in store,)
Often enough hast thou adventur'd o'er the seas,
Cautiously cruising, studying the charts,
Duly again to port and hawser's tie returning;
But now obey thy cherish'd secret wish,
Embrace thy friends, leave all in order,
To port and hawser's tie no more returning,
Depart upon thy endless cruise old Sailor.




permalink | inviato da il 23/1/2007 alle 1:7 | Versione per la stampa


27 dicembre 2006

Agora não pergunto mais aonde vai a estrada

Fé cega, faca amolada (di Milton Nascimento)

Agora não pergunto mais aonde vai a estrada
Agora não espero mais aquela madrugada
Vai ser, vai ser, vai ter que ser, vai ser faca amolada
O brilho cego de paixão e fé, faca amolada
Deixar a sua luz brilhar
e ser muito tranquilo
Deixar o seu amor crescer
e ser muito tranquilo
Brilhar, brilhar, acontecer.
brilhar faca amolada
Irmão, irmã, irmã, irmão
de fé, faca amolada
Plantar o trigo e refazer
o pão de cada dia
Beber o vinho e renascer
na luz de todo dia
A fé, a fé, paixão e fé
a fé, faca amolada
O chão, o chão, o sal da terra
o chão, faca amolada
Deixar a sua luz brilhar no pão de cada dia
Deixar o seu amor crescer na luz de todo dia
Vai ser, vai ser, vai ter que ser, vai ser muito tranquilo
O brilho cego de paixão e fé, faca amolada




permalink | inviato da il 27/12/2006 alle 20:19 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (1) | Versione per la stampa


26 dicembre 2006

partidas

Com a mesma grafia se faz o parto, o jogo e o quebrar. Mas a partida não é uma questão de grafia. Mas sim de sabedoria.




permalink | inviato da il 26/12/2006 alle 12:18 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (0) | Versione per la stampa


17 dicembre 2006

chegadas

Os amigos estão chegando. O sol e o verão também. O nascimento se aproxima. Tudo isso numa comunhão de esperanças, alegrias, cargas a serem divididas e presentes a serem trocados. É quase Natal. Deixo-me esvaziar para ser preenchida.




permalink | inviato da il 17/12/2006 alle 23:32 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (0) | Versione per la stampa


15 dicembre 2006

cartolina

Il disegno è pronto e dipinto. Come sempre mi è venuto in un attimo. Le parole invece le devo cercare. Le ho cercate in quelle degli altri, ma non va bene così. Le lettere devono essere dipinte con i miei colori.




permalink | inviato da il 15/12/2006 alle 13:26 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (2) | Versione per la stampa


12 dicembre 2006

cor macia

Era um verde tão verdinho. Desses que confortam e te fazem lembrar que água serve para fazer crescer.




permalink | inviato da il 12/12/2006 alle 9:31 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (2) | Versione per la stampa


11 dicembre 2006

asas para voar?

Caminhava pela coxia do teatro e achei essas asas. Não é hora de voar, pensei.


É hora de estar com os pés no chão e escutar Serrat:
"Hoy puede ser un gran día",
plantéatelo así:
aprovecharlo o que pase de largo
depende en parte de tí.

Dale el día libre a la experiencia
para comenzar
y recíbelo como si fuera
fiesta de guardar.

No consientas que se esfume,
asómate y consume la vida a granel...
"Hoy puede ser un gran día", duro con él...
"Hoy puede ser un gran día",
donde todo está por descubrir,
si lo empleas como el último
que te toca vivir.

Saca de paseo a tus instintos,
y ventílalos al sol
y no dosifiques los placeres,
si puedes, derróchalos.

Si la rutina te aplasta,
dile que ya basta de mediocridad...
"Hoy puede ser un gran día",
date una oportunidad...
"Hoy puede ser un gran día", i
mposible de recuperar,
un ejemplar único,
no lo dejes escapar.
Que todo cuanto te rodea
lo han puesto para tí.
No lo mires desde la ventana,
y siéntate al festín.
Pelea por lo que quieres
y no desesperes si algo no anda bien...
"Hoy puede ser un gran día"
y mañana también...




permalink | inviato da il 11/12/2006 alle 16:5 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (2) | Versione per la stampa


11 dicembre 2006

llegar

Há um momento em que chegamos à idade de nossos pais quando eram nossos pais. E começamos a ouvir as mesmas canções e a apreciá-las. Será genética?

Gardel.

Yo adivino el parpadeo
de las luces que a lo lejos
van marcando mi retorno.
Son las mismas que alumbraron,
con sus palidos reflejos,
hondas horas de dolor.
Y aunque no quise el regreso,
siempre se vuelve al primer amor.
La quieta calle donde el eco dijo:
"Tuya es su vida, tuyo es su querer!"
Bajo el burlon mirar de las estrellas
que con indiferencia hoy me van volver.

Volver,
con la frente marchita,
las nieves del tiempo
platearon mi sien.
Sentir,
que es un soplo la vida.
que veinte años no es nada,
que febril la mirada
errante en las sombras
te busca y te nombra.
Vivir,
con el alma aferrada
a un dulce recuerdo,
que lloro otra vez.


Tengo miedo del encuentro
con el pasado que vuelve
a enfrentarse con mi vida.
Tengo miedo de las noches
que, pobladas de recuerdos,
encadenan mi soñar.


Pero el viajero que huye
tarde or temprano detiene su andar.
Y aunque el olvido,
que todo destruye,
haya matado mi vieja ilusion,
guardo escondida un esperanza humilde,
que es toda la fortuna de mi corazon.




permalink | inviato da il 11/12/2006 alle 5:21 | Versione per la stampa


8 dicembre 2006

reencontro com poetas

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade




permalink | inviato da il 8/12/2006 alle 14:50 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (2) | Versione per la stampa


5 dicembre 2006

il bagaglio di Adélia

Exausto

Eu quero uma licença de dormir,
perdão pra descansar horas a fio,
sem ao menos sonhar
a leve palha de um pequeno sonho.
Quero o que antes da vida
foi o sono profundo das espécies,
a graça de um estado.
Semente.
Muito mais que raízes.

in Bagagens di Adélia Prado, Record: Rio de Janeiro, 22a edizione, 2006.




permalink | inviato da il 5/12/2006 alle 16:40 | Leggi i commenti e commenta questo postcommenti (2) | Versione per la stampa
sfoglia     dicembre       
 
 




blog letto 106630 volte
Feed RSS di questo blog Reader
Feed ATOM di questo blog Atom

COSE VARIE

Indice ultime cose
Il mio profilo

RUBRICHE

Diario
preparativi
choc
wow
dicas de viagem
saudade
lente
ricordi
parole
Bill S.

VAI A VEDERE

Terrabrasilis
Foto e disegni miei
La mia brezza
Il mio cavaliere Jedi
La mia volontaria
La mia connazionale
Una bambina d'inverno
La mia madrina blogger
Anima siciliana capricornuta
Dolcepiùcheamara
Grace, qdo sono Karen















Site MeterSite Meter  

CERCA